prato de rosbife"Você é o que você come”. Essa frase é comumente ouvida nas ruas e provavelmente, todas as pessoas já escutaram-na de algum amigo ou familiar. Não se sabe quando ela foi dita pela primeira vez, mas a sociedade atual tem plena consciência que faz muito sentido.

A preocupação com a qualidade de nossa alimentação é algo pertinente já que o mundo parece girar numa velocidade cada vez maior, nos obrigando fazer tudo numa agilidade espantosa, inclusive comer rapidamente. Essa prática trouxe a moda dos “fast foods”, as chamadas comidas rápidas e que, geralmente, são bastante gordurosas. Com o hábito de correr contra o relógio todos os dias, esse tipo de refeição ficou cada vez mais frequente.

Como consequência, o número de pessoas com problemas de obesidade tem crescido constantemente, apesar da mídia pregar cada vez mais fortemente a ideia de que um corpo fisicamente perfeito tem grande valor no modo como se ele é visto.

Mediante todos esses fenômenos que nossa sociedade traz, voltamos nossas atenções à pergunta “ x alimento engorda ?”. Colocando a pergunta de uma outra forma, teremos uma outra: “ quantas calorias esse alimento contém?”.

Antes de mais nada, é necessário esclarecer a relação de calorias com a ação de ganhar ou perder peso: a caloria é uma energia, adquirida através da alimentação, que servirá para as mais variadas ações do ser humano, como andar, pensar, correr e até mesmo trabalhos que nosso corpo faz internamente, como a digestão.

A reserva de energia que o corpo tem, são as gorduras, acumuladas ao longo da vida. Quando o corpo precisar executar algum trabalho e necessitar de energia, buscará na alimentação. Caso ela não seja necessária para executar esse trabalho o corpo irá buscá-la na reserva de gordura. Então, nesse processo, acontece o emagrecimento. Por isso, as variadas dietas existentes costumam trabalhar com base nos números de caloria de cada alimento, visando diminuir esse consumo.

Dentre os alimentos que podem ser apontados como vantajosos, temos frutas, verduras e legumes. Invariavelmente, vemos que os alimentos vindos da natureza são vantajosos para nossa saúde. Além de poder satisfazer o apetite, eles contam com poucas calorias, muitas vitaminas e substâncias que trazem diversas vantagens. Apontando algumas dessas vantagens, algumas delas, frutas, por exemplo, ajudam na circulação sanguínea, ajudam a controlar a pressão arterial, melhorar a digestão, combate a tensão, purifica o organismo, combate a anemia, além de muitas outras vantagens que se pode adquirir consumindo frutas. Os legumes também têm sua contribuição para o bom funcionamento do corpo.

Alguns legumes e verduras, como a beterraba, fornecem vitamina A, B e C, sódio, potássio, zinco, magnésio e ferro. Tudo isso num só legume. Já a abobora, além de ter alto valor nutritivo e de fácil digestão. A abóbora é indicada para alimentação de mulheres grávidas e é uma boa ajuda contra náuseas, enjoos e vômitos. A alface é outro exemplo de alimento com grandes benefícios para a saúde: é rica em fibras, também na digestão e todo o sistema intestinal.

A quantidade de calorias dos alimentos serve de norteador para seguir uma boa alimentação. Mais importante do que apresentar uma silhueta apropriada para aprovação pública, é estar com a saúde em dia. De todos os bens dos quais temos que zelar, o mais necessário é a saúde que temos. Portanto, temos de conhecer o que é ou não recomendado e qual a carga de calorias que cada alimento carrega.